Eu nunca pensei que esse dia fosse chegar, mas ele chegou e sinto que preciso fazer isso. Não foi uma decisão fácil, fiquei tentando adiar o máximo possível, mas infelizmente não consegui. Começo pedindo desculpas por fazer isso sem aviso prévio, não era minha intenção, mas simplesmente não consigo! O bloqueio não vai embora e não é um bloqueio qualquer, estou passando por alguns problemas e estou em conflito comigo mesma. Sou uma garota de 19 anos e não faço ideia do que fazer da minha vida, nada acontece e por mais que eu tente, sempre acaba do mesmo jeito. No meio disso tudo surgem as cobranças das pessoas e por mais que elas tentem disfarçar, estão dizendo: "Garota, faça alguma coisa da sua vida!" Eu também me cobro, estou cansada de sentir como se estivesse fadada ao fracasso. Cansada de pensar na minha vida e sentir que tudo é uma grande conspiração para que eu quebre minha cara de novo e de novo. Cansada de decepcionar as pessoas! Eu não posso e nem quero decepcionar ninguém, por isso estou me afastando. Não quero que pensem que não me importo, eu me importo, mas não estou conseguindo escrever e eu amo fazer isso, amo mais do que qualquer outra coisa no mundo! Não quero fazer nada de qualquer jeito, nada menos do que perfeito, vocês merecem algo realmente bom. Quero que saibam que não é um hiatus permanente, vou tirar esse tempinho para estudar e correr atrás de algo para o futuro. Voltarei assim que for capaz de escrever algo novamente, quando sentir que esse fardo está menos pesado e... Acho que é isso, me desejem sorte! Amo muito vocês e arrisco dizer que já sinto saudade. Com amor, Jéssie.

30/03/2014

Capítulo 24

escrevi agora e não tive tempo de revisar' boa leitura.


Alguns Dias Depois
Mama D-Jonas House - 14h00

          Joseph apertou a campainha de forma impaciente e bufou em seguida cruzando seus braços. Assim que a porta foi aberta ele encarrou Carter com uma expressão de poucos amigos. — Onde esta minha mãe?
— De cama, ela esta um pouco gripada.
— Droga! Como assim você você não ligou?
— Ela não deixou que eu ligasse, sinto muito.
— Pode me dizer a quanto tempo você e minha mãe estão morando juntos? -Joseph adentrou na casa e limpou os pés no tapete.
— Eu não estou morando aqui.
— Não?
— Eu respeito muito sua mãe e só estou aqui para cuidar dela.

— Carter, quem esta ai? -Denise perguntou enquanto descia os degraus da escada.
— Joseph. -Carter respondeu.
— Joe. -Ela sorriu radiante e Joe ficou um tanto paralisado. "Meu Deus, minha, mãe esta apaixonada!"
— Mãe. -Joe se moveu com dificuldade e abraçou a mãe. — Esta tudo bem?
— Eu vou indo. -Denise partiu o abraço. — O que houve com você? Esta magro.
— É só alguns exercicios que eu ando fazendo.
— Acho bom parar, você esta parecendo um anorexico.
— Mãe!
— Denise, deixe ele.

— Vocês ficam aqui por três segundos e já são melhores amigos?
— Eu não sou amigo de ninguém, pelo menos não agora. -Denise jogou um olhar mortal sobre ele. — Posso falar com você? É importante.
— Claro, vamos para cima. -Ela apontou. — Carter, você se importa de fazer um café?
— Não será nenhum incomodo, eu vou avisar quando estiver pronto.
— Obrigado. -Ela sorriu.
— De nada. -Ele se retirou para a cozinha. Joe revirou os olhos e subiu as escadas pisando forte. Denise logo atrás ria baixinho do filho enciumado.

          Adentrando no quarto da mãe Joe olhou em volta e se sentou na cama que estava muito bem arrumada. — Qual é a daquele sujeito com você?
— Fale direito comigo, eu não sou seus amigos. -Denise repreendeu. — Outra coisa, você não acha que esta grande demais para agir feito criança?
— Eu não me lembro de ter sido uma criança algum dia e se eu fui nem faço questão de lembrar.
— Joe, o fato de seu pai... -Joe interrompeu.
— Não, não vamos falar sobre isso.
— Joe.

— Mãe, meu filho vai se casar e é isso o que eu vim dizer, o.k?!
— Meu Deus!
— Sim, sim... eu estou tão surpreso quanto você.
— Que maravilha, eu fico muito feliz por eles. -Joe sorriu. — São jovens de bom coração e eles fazem um lindo casal.
— Acho que já estava mais do que na hora.
— Eles me lembram muito eu e... seu pai.

— Outra vez esse assunto?
— Joe, seu pai foi um bom homem.
— Vem cá, como você consegue dizer isso sem qualquer tipo de magoa, ou recentimento?
— Simples, eu não tive tempo entrar numa depressão por que tinha de ser forte por você. Você precisava de mim e eu me esforcei para estar inteira sempre, ser mãe e pai ao mesmo tempo não foi nada fácil. Outra coisa, eu o amava muito e estaria mentindo se dissesse que me arrependo de ter me casado com ele.
— Não se arrepende? -Denise riu e segurou a mão de Joe.
— Ele me deu o maior tessouro que um homem poderia dar para uma mulher, um lindo e maravilhoso filho.
— Não me faça chorar. -Joe disse num tom brincalhão.

— Joe, eu amo você.
— Eu também te amo.

18h00

          Demi adentrou na casa e inalou profundamente sentindo um delicioso cheiro de comida. Charlie falava animadamente sobre algum assunto com Joe e em seguida uma risada feminina ecoou pela casa, Ariana abanou-se e respirou fundo. — Charlie, você esta muito grandinho para dizer essas coisas.
— Ué, eu só queria provar. -O garotinho fez careta. — Leite de peito não é igual ao dá caixinha? -Charlie franziu o cenho e Ariana caiu na gargalhado com Joe novamente.

— Licença, boa tarde. -Demi sorriu e Ariana se virou para encara-la. — Que surpresa boa você por aqui. -Ela se dirigiu até a nora e a abraçou.
— Eu vim conversar com vocês e como você não estava eu resolvi esperar... e também trazer a Chloe para passar um tempo com o avô dela. -Ariana apontou para Joe sorridente, ele estava com a neta no colo todo bobo.

— Agora diz: vovô.
— Bobo.
— Vovô. -Ele disse num tom brincalhão.
— BOBO! -Chloe exclamou com as mãozinhas para cima fazendo todos na cozinha rirem, menos Demi. Ela apenas se sentou e ficou observando seu marido brincar com a neta enquanto jogava alguns legumes na panela, tudo com muito cuidado.

— Onde você foi, amor? -Demi balançou a cabeça.
— Como conversei com Ariana por telefone ontem, eu fui procurar um lugar onde seria realizada a cerimonia e como eu havia previsto estava tudo ocupado. -Ela suspirou. — Eles me disseram que tinhamos de ter reservado dois meses antes.
— Não tem problema. -Ariana sorriu.
— Como não?! Eu estou aqui arrancando os meus cabelos e você esta calma.
— Sr. Jonas teve uma ótima ideia.
— E que ideia seria essa? -Demi abriu uma revista de vestidos de noiva e começou a avaliar os modelos.
— Vamos para a Carolina do Norte.

— Como é?
— Vamos fazer uma bela viagem em familia.
— Pirou de vez, foi? Não temos casa lá, como vamos acomodar a todos e que lugar é esse onde vocês querem fazer esse casamento?!
— É surpresa. -Joe sorriu.

— Ariana.
— Eu também não sei, juro.
— Você vai amar! -Charlie disse e em seguida arrotou. — Ops, foi mal.
— Vocês estão mentindo para mim, que droga! -Demi disse zangada.
— Você confia em mim?
— Confio, mas...
— Então, não se preocupe com nada. -Ele disse sorridente.

— Quando vamos viajar? -Charlie disse animado.
— O quanto antes melhor. -Demi respondeu curta e grossa.
— Amor, não fique chateada comigo.
— Você sabe que eu odeio surpresas!
— É um lugar muito especial, você conhece.
— Ajudou muito. -Ela disse ironica.
— Pense um pouco, se você adivinhar lhe conto tudo. -Joe sorriu de certa forma vitorioso, ele sabia que talvez Demi não lembrasse.

Naquela Tarde...

          Joseph  se trancou no escritório e pegou o telefone discando em seguida o numero da irmã. — Alô.
— Alô, com quem eu falo?
— Joseph, Kat é você?
— Joe seu desgraçado, quanto tempo? -Ela disse rindo.
— Eu vou bem e você?
— Eu estou indo.
— Liguei para saber se "esta tudo de pé."

— Esta sentado?
— Sim, eu estou sentado. -Joe mordeu uma das unhas.
— Eu consegui. -Ele respirou fundo e sorriu largamente.
— Meu Deus!

— Sim, eu também não acreditei. -Kathleen também sorriu ao outro lado da linha. — Eu estou tão feliz por você e animada também.
— Significara muito para nós e principalmente para Demi, eu sei que ela vai gostar.
— Vocês tinham uma bela casa e um belo jardim também... será perfeito.
— Esta decidido, vou levar todos para Boone.
— Não quero saber de vocês na pousado, minha casa é grande e cabe todo mundo.
— Sim, sim. Vou levar todos para bagunçar muito sua casa, inclusive meus amigos.
— Pode trazer, será um prazer.

**

22h00

          Demi ajeitou seu pijama em frente ao espelho e começou a prender os cabelos num coque, em seguida ela deitou-se na cama e respirou fundo fechando seus olhos. Joe saiu do banheiro e apagou a luz do quarto. Caminhando vagarosamente até a cama ele se deitou, puxou os lençóis e abraçou Demi por trás. — Ei, esta chateada comigo?
— O que você acha? Deveriamos cuidar disso juntos e agora você esta fazendo tudo por conta própria.
— Não, eu não estou fazendo isso.

— O que é então?
— Já disse que é uma surpresa.
— Por que diabos você não pode me contar?
— É um tanto óbvio, não acha? -Demi se virou bruscamente para ele. — Se eu contar não será mais uma surpresa e vai estragar muitas outras coisas, acredite.

— Tem mais?
— Talvez, eu não sei ao certo. -Joe respirou fundo e acariciou a bochecha da esposa.
— Ah, Joseph... você vai me deixar louca. -Ele riu e se inclinou para beija-la.
— Eu já sou louco, muito louco por você e não reclamei nenhum pouco de você pirando minha cabeça todos os dias. -Demi o puxou para um beijo e sorriu em seguida. — Não fique chateada comigo, eu fiz essa surpresa pensando em você... em nós.

--

choveu inspiração, porra! 
ah, morri... essa ultima parte' acabou comigo, sério. foi inspirada na musica do Charlie (tinha de ser, não é mesmo? *-*) um rosto lindo e um sorriso encantador... voltando' HELLO GUYS, tudo bem? gente, eu estou tremendo até agora. como se não bastasse a denise acabar comigo o joe prova mais uma vez que é um romântico de carteirinha! :') espero que tenham gostado tanto quanto eu :3 não consegui responder os comentários pq eu acabei de terminar um trabalho e estou muito cansada :( então... eu vou indo fodidamente feliz tomar meu banho' até o próximo capítulo. beijos e abraços *


I CAME IN LIKE A WRECKING BALL' #humor'

28/03/2014

Capítulo 23


          Leves batidas na porta chamou a atenção de Joseph, ele se levantou do sofá e abandonou os óculos de leitura perto de um abajur. Assim que abriu a porta ele se deparou com Wilmer, o moreno retirou seus óculos escuros e mediu Joseph de cima a baixo.  Minha Santa Madonna de La Isla Bonita! -Ele abriu um leque e começou a se abanar.
— Pare de veadagem! -Zac repreendeu. — E ai, tudo bem,? -Ele cumprimentou Joe com um aperto de mãos.
— Eu vou bem e você? -Ele franziu o cenho estranhando a presença dos amigos.
— Obrigado por ignorarem minha ilustre presença! -Wilmer resmungou.

— Não me lembro de ter convidado vocês, o que fazem aqui? -Joe disse brincalhão
— Charlie me disse que Nathan vai se casar. -Joe franziu o cenho. — Facebook, twitter... Hello! -Wilmer deu uma "ombrada" em Joseph e adentrou na casa. — Onde esta Demetria, Charlie?
— Logo, logo ela esta de volta e Charlie esta na escola.
— Onde ela foi? -Zac adentrou também e seguiu Wilmer até sala.
— Na igreja.

— Sei não, eu não fui com a cara daquele Nicholas. -Wilmer resmungou.
— É claro, ele não joga no seu time. -Zac rebateu fazendo Joe rir.
— Engraçado, muito engraçado! -O rapaz armou uma carranca e se sentou no sofá fazendo um barulho de amaçado. — Mais que diabos foi isso?
— Seu pum! -Zac se jogou no outro sofá e riu.
— Cale a boca, retardado! -Wilmer balançou a cabeça e se levantou erguendo uma almofada do sofá. — Que coisa estranha.

— O que foi? -Joe se aproximou e viu uma foto. — Oh, droga!
— O que foi? -Zac se aproximou.
— De novo não.
— Eu vou ver dessa vez. -Wilmer pegou a foto e virou-a.

3 anos'
Eu morri todos os dias esperando por você' amor, não tenha medo. — Demi.

          Joe suspirou e levou uma das mãos limpando suas lágrimas.
— Você esta chorando? -Zac franziu o cenho.
— Não é a primeira vez que isso acontece, que porra! -Joe resmungou e se sentou no sofá. 
— Insensível! -Wilmer deu um tapa no braço de Zac.
— Ai! -Ele resmungou de dor. 

— Foi no nosso aniversário de 3 anos de casados. -Ele sorriu de repente.
— Cara você precisa se acalmar. -Zac coçou a cabeça nervoso.
— Seja lá o que você esta fazendo, vai dar certo e vocês vão voltar a ser como antes. Confie em si mesmo, o.k? -Joe assentiu e apertou a mão de Wilmer.
— Obrigado. 

— Então, você estava novinho nessa foto. 
— Não vejo tanta diferença assim, sou feio por natureza. -Ele riu. —  Já Demi.... Bem, ela estava absolutamente linda.
— Não é novidade para ninguém que sua mulher é gostosa. -Wilmer disse e Zac concordou sorridente.

— Quem é gostosa? -Demi cruzou os braços e ergueu uma sobrancelha.  
— Você, amada! -Wilmer se levantou para abraça-la. 
— Oh, meu Deus! -Ela riu. — Você esta lindo, olhe só para você.
 Mulheres. -Joe e Zac disseram em uníssono. 

— Ah, me deixem. -Demi o abraçou novamente. — Senti muito sua falta.
— Como se sente agora sendo ignorado, Sr. Zac Efron ?
— Larga ela, eu conheci primeiro do que você. Sai! -Zac empurrou Wilmer e abraçou Demi. 

— Joseph, você poderia ter avisado que traria sua gangue aqui em casa.
— Agora somos uma gangue? -Joe disse num tom divertido e sorriu para ela. 
— Ora, é só uma maneira carinhosa de dizer "vocês são legais juntos". -Ela se separou de Zac e foi em direção a Joe. Quando ela tocou seu rosto ele suspirou e piscou um pouco antes de olhar nos olhos dela. — Tudo bem?
— Eu estou ótimo. -Ele colocou a foto nas mãos dela e se levantou. — Querem cerveja? Nathan logo, logo chega também e vocês vão ver como ele esta radiante. -Joe saiu da sala.
— Nem consigo acreditar que aquele moleque irá se casar. -Zac sorriu para Demi que estava entretida com a foto e nem deu atenção para ele. 
— Eu quero ajudar, conheço uma ótima decoradora. -Wilmer sugeriu

— Vocês me dão licença? -Demi pediu educadamente abandonando sua bolsa no sofá.
— Toda. -Eles disseram em uníssono e Demi se retirou da sala.
— Você esta sentindo? -Wilmer sussurrou para Zac.
— Sentindo o que?
— Tensão sexual entre eles.
— Eu hein, não estou sentindo e nem pretendo sentir. -Zac fez careta. — Você me assusta, sabia?

(...)

— O que houve com você?
— Não é nada. -Demi o encarrou. — Essa situação esta sendo estressante, acho que é só isso.
— Nicholas me contou que os caras quase mataram ele.
— Contou?
— Você pensou que eu tivesse outro homem em minha vida além de você?
— Não, mas pensei que ele fosse um cara que estava querendo algo com você. -Demi riu. — No aeroporto, você... -Joe balançou a cabeça. — Esquece, eu ia dizer besteira.

— Você me seguiu?
— Eu não queria fazer isso, mas meu coração me obrigou. -Demi suspirou. — Você olhou para ele de um jeito carinhoso e depois que ele abraçou você... -Joe mordeu o lábio. — Eu tive de me segurar para não arrebenta-lo! Você saiu voando daqui e logo depois eu recebi uma ligação dele, juro que não foi minha intenção desconfiar de você. -Ele disse apressadamente misturando tudo. — Desculpe-me, eu fui muito imaturo e agi como um moleque.
— Esta tudo bem. -Demi brincou com os botões da blusa dele. — Acho que teria feito o mesmo se você estivesse de amizade com alguma mulher. -Joe sorriu. — Joe, eu posso te dizer uma coisa?
— Sim, pode dizer qualquer coisa.
— Nada para mim mudou, sabe? Você continua sendo o único homem pra mim e eu ainda morro esperando por você todos os dias. -Demi beijou seus lábios e em seguida se afastou sorrindo. — Vamos, os rapazes devem estar sentindo sede.

**

my feelings :') começou daquele jeito e terminou... só suspiros' 
olá parAngels (estava com saudade de escrever isso') tudo bem com vocês? eu estou bem e escrevi esse capítulo agora ouvindo Christina Perri < muié inspiradora essa, meu Deus. pois bem, eu nem preciso dizer que gostei' porém acho que no inicio não estava lá essas coisas... mas fica a critério de cada um dizer o que achou :) respostas aqui e aqui' byeeeee :-*

 

26/03/2014

Capítulo 22

bugou lá em baixo de novo :( tá foda' enfim eu consegui... CONSEGUI! eu tinha mais planos para colocar aqui, mas como eu disse o negócio lá em baixo esta uma merda e quando eu escrevo trava' só consigo colocar imagem o.O enfim, eu estou passando rapidamente para deixar esse capítulo (que particularmente esta bom) para vocês' talvez... eu poste outro amanhã *-* eu quero muito, de verdade' fazer isso. :) bjos' bom dia, boa tarde e boa noite.


          Aquela conversa ainda se prolongou por mais uma hora!           
          Sentada no balanço da varanda Demi observava sua rua pouco movimentava e digeria todas as informações recentemente recebidas. — Oi. -Ela balançou a cabeça e olhou assustada para Joe. — Desculpe-me, não queria te assustar.
— Esta tudo bem. -Demi suspirou e encarou o marido com duas taças de vinho na mão.
— Aceita? -Joe ofereceu o vinho. — Vai aliviar a tensão.
— Aceito. -Ela recebeu a taça em mãos e sorriu fraco. — Obrigado.
— De nada.

— Esta tudo bem? -Joe sentou-se.
— Não sei como estou me sentindo. -Demi deu um longo gole no vinho. — Acho que não deveria estar surpresa, Nathan sempre me surpreende.
— Pensei que estivesse feliz.
— Eu estou. -Ela assentiu.

— E então?

— De certa forma ele parece não se importar com o próprio casamento.
— É apenas uma questão de tempo até que ele queira isso.
— Nós não temos tempo, já estamos quase no fim do mês.
— Vai dar tudo certo.
— Você fala como se soubesse de algo.

— Alguém precisa ter fé. -Joe deu de ombros e bebericou o vinho. Demi piscou um pouco e olhou para ele.

— O que você disse?
— Que algum de nós precisa ter fé, por que?
— Desde quando você tem fé?

Desde quando eu percebi que estava te perdendo e então eu orei. -Pensou ele.

— Eu tive uma conversa com o padre, nada de especial. -Joe olhou de rabo de olho para Demi e viu ela coçar a cabeça desconfiada.
— Ah, isso é muito bom. -Demi sorriu sem mostrar os dentes.
— Demi, depois da minha mãe você é a mulher mais cheia de fé que eu conheço. -Ela riu.
— Eu falo sério.
— Você esta me assustando. -Joe riu e abraçou Demi de lado.
— Não se preocupe, vamos fazer um belo casamento no dia 18. O.k? -Ela assentiu e Joe beijou sua testa.

(...)

          Nicholas tropeçou em um dos degraus e quase caiu provocando um ataque de risos em Demetria. — Menina malcriada! -Ele apontou o dedo como se estivesse dando uma bronca numa criança e riu em seguida. — Não teve graça, eu quase quebrei minha cara no chão.
— Desculpe-me. -Demi sorriu e o abraçou. — Senti sua falta, sabia?
— Eu também senti sua falta, o coral não é o mesmo sem você. -Não era nada oficial, mas Demi cantava o salmo em alguns domingos e as vezes até ensaiava o coral.

— Ah, você esta dizendo isso para que eu me sinta importante.
— Deus sentiu sua falta, minha querida. E então, o que você conta de novo? -Eles se sentaram num banco da igreja.
— Eu passei grande parte da viagem cuidando da minha neta, isso até me fez ter saudade das minhas noites em claro cuidando de um bebê.
— Nunca é tarde.
— Eu tenho certeza de que minha família esta completa.
— Isso é o que você acha e Deus?
— Nicholas, eu acredito que se eu tivesse de engravidar... isso já teria acontecido, acredite.

— O.k, o que mais você fez?
— Fiquei intrigada.
— Como que exatamente?
— Fotos.
— Fotos?
— Eu comecei a receber fotos minhas com meu marido.
— Ainda não compreendi.
— Ele também recebeu essas fotos e sinceramente isso me fez repensar em diversas coisas que passamos juntos, sabe? Foi como uma luz no fim do túnel.
— E isso mudou alguma coisa?
— Estamos melhores e acho que isso fez com que ele mudasse seu jeito.

— Que tipo de mudanças?
— Ele esta tentando me impressionar. -Nick riu. — Joe cozinhou e perdeu alguns quilos também. -Demi riu.
— Ele esta tentando te seduzir. -Ele disse baixinho.
— Nicholas, o que é isso? Você é padre!
— É por isso mesmo que eu não posso mentir para você e dizer que ele esta apenas tentando impressionar. -Nick deu de ombros. — Esta tão obvio!
— Tem outra coisa também.
— E o que seria?
— Meu filho vai se casar.
— Oh, meus parabéns.
— Obrigado. -Demi sorriu fraco.
— Algum problema quanto a isso?
— Ele quer se casar no dia do meu casamento.
— Demi já vai fazer um ano, acho que você precisa deixar isso passar e perdoar seu marido.

— Você falou com ele, não falou?
— Não foi nada demais.
— Nicholas, eu quero a verdade.
— Ele pensou que... -Nick riu. 
— Pensou?!
— Pensou que eu fosse seu amante, ou um cara novo que estava dando em cima de você. -Ele deu de ombros. — Eu quase fui morto por um rapaz um tanto alegre e um outro de olhos azuis que parecia extremamente disposto a me matar! 
— Eu não acredito que Joseph trouxe a gangue dele aqui! -Demetria disse furiosa. — Eu vou mata-lo!
— Esta tudo bem, não é a primeira vez que isso me acontece. -Demi balançou a cabeça. — Ele te ama e muito. 
— Eu sei disso, mais preciso ouvir essas palavras saindo diretamente dele. -Ela suspirou. — Sinceramente, eu não sei o que ele esta esperando.

                               

24/03/2014

Capítulo 21


Uma Semana Depois

          Sábado, típica tarde de sol. Joseph observava Charlie brincar com algumas boias na piscina enquanto bebia uma deliciosa caipirinha de morango, Demi estava sentada do outro lado lendo um livro de auto ajuda e também bebendo. A campainha tocou, o casal se entreolhou. — Você esta esperando alguém? -Demi indagou.
— Não e você?
— Também não. -Joe deu de ombros e bebericou a bebida. 
— É melhor ir ver quem é. -Demi levantou-se e passou por Joe, ele acompanhou a esposa com os olhos e sorriu em seguida. Ela caminhou até a porta e olhou pelo olho mágico automaticamente seu queixo caiu involuntariamente. — Nathan?! -Ela exclamou assim que olhou o garoto todo sorridente a sua frente.

— Sou eu mesmo e cadê meu abraço? -Demi se jogou nos braços do filho rindo. — Que saudade. -Ele disse ainda abraçado a ela. 
— Garoto, não faz nem uma semana direito desde a ultima vez que te vi. -Ela sorriu. 
— Eu sei, eu sei... Preciso dizer uma coisa, onde esta meu pai? -Ele partiu o abraço. 
— Seu pai esta nos fundos, chame ele para entrar. -Demi fechou a porta.

— Velho, cadê você? Precisa de ajuda para entrar? -Nathan zoou o pai.
— O fato de você ter uma filha não te livra de uma boa surra! -Joe semicerrou os olhos e se levantou para abraçar o filho.
— Céus, você virou um saco de músculos. -Nathan riu histericamente. — Acho bom esse seu trato ser apenas para minha mãe. -Ele partiu o abraço e riu.
— Você sabe que sim. 

— NATHAN! -Charlie saiu da piscina e agarrou a perna do irmão.
— Porra, você me molhou! 
— Você falou palavrão! -Charlie disse boquiaberto. 
— Você não fala? -Joe bateu no braço de Nathan. — Ai, o que foi?
— Diferente de você esse menino vai ter educação. -Joe zoou e riu em seguida. 
— Rapazes. -Demi cruzou os braços. — Para dentro, agora! 
— O.k, estamos indo. -Eles disseram em uníssono.

(...)

          Na sala Demi e Joe estavam sentados de frente com Nathan. — E então? -Demi sorriu. — O que manda?
— É algo especial que eu já estava planejando a algum tempo e finalmente eu consegui. -Ele respirou fundo.
— E o que seria essa coisa especial?
— Sra. Jonas, Sr. Jonas, Charlie... -Nathan riu e novamente respirou fundo.
— Você esta me deixando nervosa!
— Demetria, não interrompa! -Joe repreendeu. — Pode dizer, filho.
— Eu vou me casar

          Ambos, Joe e Demi ficaram paralisados. 

— Meu Deus, meu bebê vai se casar! -Demi saltou do sofá e se jogou nos braços do filho. — Estou tão feliz por você, já estava na hora. Meu Deus, eu pensei que você nunca fosse pedi-lá! -Ela disse apressadamente. — Conte-me como você fez o pedido, isso é muito importante. -Demi se recompôs e se sentou ao lado dele.
— Bem, eu escondi a aliança na fralda da Chloe. 
— Eca! -Charlie fez careta.
— Ficou meio que estufada e eu disse: "Acho que tem uma surpresa para você". -Nathan sorriu. — Ela ficou em estado de choque.
— Foi algo muito criativo e eu estou orgulhoso de você. -Joe sorriu. -Muito orgulhoso, mesmo. 
— Obrigado pai.

— Eu quero bolo, vai ter bolo?
— Claro que sim, um grande bolo. -Os olhos de Charlie brilharam.
— Também estou orgulhoso. -Eles riram. 

— Filho, você já sabe que tipo de casamento você quer? -Demi perguntou sorridente.
— Eu e Ariana conversamos sobre isso, achamos melhor fazer uma pequena cerimonia com um juiz de paz e poucos convidados. -O sorriso de Demi sumiu e ela se levantou pegando sua bebida na mesa de centro da sala. — Já temos uma união estável e o casamento será apenas uma oficialização. 
— Não, não é apenas uma oficialização. -Demi bebericou a bebida. — Um casamento vai muito mais além de oficialização... É amor

— Eu amo minha mulher, mãe. 
— Eu sei que você ama. -Demi coçou a cabeça.
— Qual o problema, então? -Joe indagou.
— Você sabe o que eu quis dizer. -Demi murmurou. 
— O.k, agora eu não estou entendendo mais nada! -Nathan jogou as mãos para cima. Joe abaixou a cabeça e suspirou, ele sabia exatamente o que Demi queria dizer. Ela só não queria que Nathan cometesse o mesmo erro que ela. 

— Podemos chegar a um acordo, certo? -Joe disse de repente.
— Tem mais uma coisa.
— E o que seria? 
— O aniversário de casamento de vocês é no mês que vem, certo?
— Sim, na quarta semana de agosto. -Demi franziu o cenho.
— Eu e Ariana queremos nos casar no dia dezoito. 
— Você só pode estar brincando? No dia do meu casamento. -Demi arregalou levemente os olhos. 
— Interessante. -Joe coçou a barba mal feita.
— Ela disse que seria a melhor forma de agradecer tudo o que vocês fizeram por nós. 
o plano do joe já começou' muahahaha
oi' tudo bem com vocês? eu continuo na mesma' mas eu felizmente consegui reescrever o capítulo e sinceramente esta muito melhor que o anterior que foi excluído (sim, outra vez). respostas aqui e aqui' espero que tenham gostado. nariana ali no inicio acabou comigo </3 quero eles juntos de novo! enfim, até o próximo' amo vocês meus anjinhos de luz

 

21/03/2014

Capítulo 20

esta bugando ali embaixo e não dá para escrever muito' então só tenho a agradecer pelo apoio de vocês c: foi muito importante e eu não sei se esse ficou bom, mas eu meio que me emocioney < espero que gostem' so just catch me...


          Demi observou a foto por alguns segundos e em seguida engoliu seu choro. — O que foi mamãe? -Charlie a cutucou e fez careta.
— Não é nada, vamos comer. -Ela forçou um sorriso e guardou a foto no bolso da calça. Segurando na mão esquerda do filho Demi voltou até a sala de refeições, Joe e Naya olharam para ela com uma expressão indecifrável. — O que foi?
— Nada demais. -Eles responderam em uníssono e Charlie riu. 
— Chega, chega! Eu estou com fome. -O garotinho resmungou. — Quero comida na boca. -Ele fez biquinho.
— Charlie, você pode muito bem comer sozinho. -Joe brincou.
— Vem bebê. -Demi disse distraidamente puxando Charlie levemente para se sentar em seu colo.


15h30

          Sophie bateu levemente na porta e em seguida adentrou no quarto. Charlie desviou os olhos do gibi e sorriu para ela. — Oi. -Sophie sorriu para ele. — Posso entrar? Trouxe canetinhas para enfeitar seu gesso, Naya disse que esse troço é sem graça. 
— Pode entrar. -Ele disse sorrindo com as bochechas levemente coradas.
— Charlie, eu sinto muito. -O garotinho riu.
— Isso não tem graça, eu estou aqui preocupada... -Charlie interrompeu.

— Eu não estou chateado.
— Não? -Ela se sentou ao lado dele na cama.
— Você é a minha melhor amiga. -Ele sorriu. — Não consigo ficar chateado com você.
— Você fala como gente grande.
— Eu sou grande.
— Não é não.
— Eu cresci mais 3 centímetros só essa semana, agora tenho um metro e vinte. -Charlie disse orgulhoso.

— Continua sendo baixo.
— Esta dizendo isso só porque eu sou maior e quer saber... Chega de falar de altura! -Sophie riu.
— Tá bom. -Ela pegou uma das canetinhas e começou a desenhar pequenos corações no gesso.
— Ei, quero desenhos mais "masculos".
— O que é isso?
— Coisa de menino.
— O.k, eu vou fazer estrelas também. -Charlie fez careta.

— Sophie, você vai dizer o motivo de ter me empurrado?
— Eu senti nojo.
— Nojo?
— Eu não gosto de beijos... eles são molhados.
— Sentiu nojo de mim?
— De você não, eu só me assustei. Crianças da nossa idade não fazem isso, por que você fez?
— Eu não sei, acho que eu gosto muito de você. -Sophie ficou em silêncio e continuou desenhando. — Beijo é uma demonstração de carinho e eu não acho nojento.

— Não tem nojo de ver seus pais se beijando?
— Eca, claro que sim. -Charlie fez careta. — Parece até que ele engole a língua dela.
— Mais um motivo pra mim não gostar.
— Eu não tentei comer sua língua, eu só queria que você soubesse o que eu sentia.
— Era mais fácil dizer, não acha?
— Algumas coisas não devem ser ditas e sim sentidas. -Sophie olhou para ele e sorriu. Charlie apertou a mão dela e também sorriu. — É por isso que as pessoas se beijam. -Sophie ficou sobre seus joelhos e beijou a bochecha de Charlie. — Ah, eu queria aqui. -Charlie fez biquinho e Sophie acanhou-se.
— Mantenha sua boca longe de mim, Charlie Jonas! -Eles riram.


23h00

          Demi ajeitou o cobertor de Charlie e se sentou na cama do garoto com um sorriso fraco nos lábios. — Você e Sophie estão bem?
— Sim, ela até me deu um beijinho na bochecha. -Charlie tocou a bochecha e sorriu. — Ela não quis me beijar na boca.
— Charlie!
— Ah, mamãe!
— Escute bem uma coisa, o senhor só podera me dar outro neto depois dos 20 anos, o.k? Trate de aquietar esse seu fogo. -O garoto riu.
— Eca, eu não quero fazer bebês.
— Mais daqui uns anos você vai, acredite.

— E você?
— Eu? -Demi franziu o cenho.
— É, já pensou em me dar uma irmã?
— Irmã? -Demi sorriu com melancolia. — Talvez você teria uma, mas ela se foi. -Ela sussurrou.
— Disse alguma coisa?
— Não disse nada e eu não penso nisso... olhe só para mim, eu estou velha. -Demi forçou o riso e Charlie fechou a cara.
— Isso não é verdade.
— Tudo bem, esta tarde. -Demi levantou-se e beijou a testa do garoto. — Boa noite.
— Boa noite, mamãe.
— Eu amo muito você.
— Eu também te amo. -Demi sorriu e começou a caminhar até a porta. No curto percurso ela tropeçou em algo e por muito pouco não caiu.

— O que foi? -Charlie perguntou aparentemente preocupado.
— Nada, eu quase tropecei num negocio.
— É meu brinquedo.
— Aveludado desse jeito? -Demi deslizou o pé sobre o material macio do que parecia ser uma capa.
— Eu fiz isso na aula de artes.
— Ah, bom. -Demi deu de ombros. — Boa noite. -Demi saiu. Charlie levantou bruscamente e pegou o álbum de fotos que agora esta no meio do quarto.


"Foi por pouco". pensou Charlie.

(...)

          Joe estava virado para um lado e Demi para o outro ainda acordada. Ela vira aquela foto apenas uma vez desde que Joe a tirou. Mesmo sabendo que não era culpada ela sempre acabava sendo cruel consigo mesma. Ela poderia ter sido mais forte e ter mantido a calma, o que poderia ter acontecido? Talvez, se Joe tivesse ficado ali com ela até a policia chegar isso também poderia ter sido evitado. Demi agarrou um lenço de papel e começou a limpar suas lágrimas. Joseph se moveu na cama e ouviu o choro baixinho dela. — Ei, o que esta acontecendo? -Ele acariciou o braço dela e beijou seu ombro. Demi nada respondeu, ela pegou a foto na cabeceira e entregou. Joe leu a mensagem e por breves segundos se odiou por ter tirado aquela foto. — Me desculpe, vem aqui. -Joe a puxou para si fazendo-a se virar de frente com ele. — Esta tudo bem, isso já passou.

— Você não entende.
— Demi, eu entendo muito bem. -Ele secou algumas lágrimas que escorriam pelo rosto dela. — Em mim também dói e é por isso que eu evito ficar me lembrando.
— Eu não escolhi isso, eu achei essa foto, se lembra? 
— Droga, essa fotos de novo! -Joe resmungou.  O.k, se lembra do que aconteceu em Paris? -Demi assentiu. — Você foi grávida e tudo foi tão maravilhoso.

— Um filho não substitui o outro, se lembra disso também?
— Sim, sim... desculpe-me. -Ele suspirou. — Eu só não sei o que fazer e ver você assim esta acabando comigo. O que eu preciso fazer para você se sentir melhor?
— Me beije rápido, mais faça durar. -Demi deixou escapar um pequeno soluço e escapar.  Me abrace forte e não me deixe cair. -Joe beijou levemente as lágrimas dela e em seguida os lábios de forma lenta e carinhosa.