Eu nunca pensei que esse dia fosse chegar, mas ele chegou e sinto que preciso fazer isso. Não foi uma decisão fácil, fiquei tentando adiar o máximo possível, mas infelizmente não consegui. Começo pedindo desculpas por fazer isso sem aviso prévio, não era minha intenção, mas simplesmente não consigo! O bloqueio não vai embora e não é um bloqueio qualquer, estou passando por alguns problemas e estou em conflito comigo mesma. Sou uma garota de 19 anos e não faço ideia do que fazer da minha vida, nada acontece e por mais que eu tente, sempre acaba do mesmo jeito. No meio disso tudo surgem as cobranças das pessoas e por mais que elas tentem disfarçar, estão dizendo: "Garota, faça alguma coisa da sua vida!" Eu também me cobro, estou cansada de sentir como se estivesse fadada ao fracasso. Cansada de pensar na minha vida e sentir que tudo é uma grande conspiração para que eu quebre minha cara de novo e de novo. Cansada de decepcionar as pessoas! Eu não posso e nem quero decepcionar ninguém, por isso estou me afastando. Não quero que pensem que não me importo, eu me importo, mas não estou conseguindo escrever e eu amo fazer isso, amo mais do que qualquer outra coisa no mundo! Não quero fazer nada de qualquer jeito, nada menos do que perfeito, vocês merecem algo realmente bom. Quero que saibam que não é um hiatus permanente, vou tirar esse tempinho para estudar e correr atrás de algo para o futuro. Voltarei assim que for capaz de escrever algo novamente, quando sentir que esse fardo está menos pesado e... Acho que é isso, me desejem sorte! Amo muito vocês e arrisco dizer que já sinto saudade. Com amor, Jéssie.

31/07/2014

Capítulo 5



Casa dos De La Garza - 11h30 da manhã


          Dianna cuidava das flores do jardim com a ajuda da filha Madison, elas estavam plantando novas mudinhas quando Demi chegou.  Bom Dia, meninas!  Ela disse animadamente e logo Madison já estava abraçada a ela.  Ei, ei... vai me sujar.
 Também te amo.  Madison disse ironicamente e em seguida riu.  Senti saudades.
 Eu também, amor.
 É assim, é?  Dianna colocou uma das mãos na cintura e bateu o pé. Demi riu de sua mãe, ela estava engraçada com aquele chapéu de palha e botas amarelas.  E eu?
 Vem aqui.  Demi e Madison abriram os braços e elas se abraçaram.

 Faz tempo, querida.
 Você sabe que eu gostaria de vir mais vezes, não sabe?
 Converso com ele todos os dias, mas ele não me ouve.  Madison saiu discretamente a fim de manter Eddie dentro de casa, caso contrário ele iria querer dar o sermão da montanha e isso causaria uma briga feia entre ele e Demi.
 É tão difícil ele aceitar isso? Todos aceitaram numa boa, minha filha aceitou!
 Eu juro que não o compreendo.  Dianna apontou para o banco do jardim e lá elas se sentaram.
 Eu já refleti muito sobre isso e cheguei a uma conclusão.  Demi suspirou.  Ele tem medo do que as pessoas podem sair falando, entende? Ele é pastor e acha que isso pode atingi-lo de alguma forma.

xx

 O que esta fazendo?  Madison perguntou sorrindo.
 Acabei de preparar o sermão de hoje.  Ele abraçou a filha de lado.  Como estão as plantas?
 Vão bem, eu e mamãe plantamos algumas mudinhas.
 Vamos lá, eu quero ver.
 Não, nos ainda não acabamos.
 Não me importo.  Eddie guardou a bíblia e foi em direção a porta da frente.
 Espera!  Madison pulou na frente.  Você não pode sair.
 Me de um bom motivo.  A garota suspirou.  Aquele garoto esta de novo lá fora?!
 Não, não é ele.
 Quem é Madison?
 Demi está lá fora.
 Eu já disse que não quero ela na igreja e muito menos aqui, com licença.
 Não.
 MADISON!

 Eu já estou cansada disso, cansada! Se você não quer falar com ela, não fale... mas deixe-a em paz! Você não pode proibi-la de vir aqui, pois essa casa também é dela e você não pode manter minha mãe longe dela, pois ela é mãe da Demi também.  Eddie suspirou.  CHEGA, OUVIU BEM? CHEGA!

xx

 Você ouviu isso?
 Ele esta brigando com a Madison?  Demi franziu o cenho.  Ele vai ver só!  Ela se levantou e começou a caminhar em direção a porta.
 Demi, espera. Melhor não se intrometer!
 Ela é minha irmã, mãe.  Quando ela entrou na casa viu os dois discutindo na sala, Madison gesticulava sempre apontando para o lado de fora.
 PAREM AGORA!  Dianna gritou antes que Demi pudesse pronunciar.
 Eu disse para não queria ela dentro da minha casa!


 Essa casa é minha, você não tem esse direito!
 Tenho sim, você trouxe desonra para essa família!
 Pelo amor de Deus, esse papo de novo não!
 Vou bater nessa tecla quantas vezes eu precisar, você conhece a palavra e sabe muito bem que esta errada. Não posso permitir que você coloque essa família a se perder!
 Eu vou embora e não é por sua causa Eddie! Vou embora para poupar minha irmã de ouvir mais besteira saindo dessa sua boca nojenta e minha mãe de se estressar a toa com você.  Ela apontou para ele e virou-se em direção a porta.  Meu pai tinha muitos defeitos, mas ele nunca... negaria uma filha.
 Saia da minha casa!
 Vá pro inferno!  Ela saiu batendo fortemente a porta.

          Demi entrou no carro completamente irritada e furiosa consigo mesma por não conseguir conter o conflito, quando se tratava de Eddie era sempre mais complicado. Ele era como um pai para ela, um pai presente! Seus olhos se encheram de lágrimas e ela bateu a cabeça de leve contra o volante.  Controle-se, controle-se.  Ela disse para si mesma e respirou fundo. Depois de ficar alguns segundos ali parada ela arrancou com o carro e foi para casa.


xx


          Demi entrou em casa, fechou a porta e caminhou até a sala, chegando lá ela se jogou no sofá e começou a chorar novamente. Seu celular tocou e como de costume ela não visualizou quem era e simplesmente atendeu.  Alô.
 Demetria, você esta bem?  Ela suspirou.
 Não, eu não estou nada bem.
 O que aconteceu?
 Eu fui visitar minha mãe, Madison e... Eddie me disse coisas horríveis, brigamos e... oh meu Deus, foi terrível!
 Ele está passando dos limites!  Demi soluçou.
 Isso está me matando, você não tem noção do que é ter praticamente seu pai contra você.
 Eu vou ir ai vê-la.
 Não, você precisa...
 Não discuta comigo, vou pegar o primeiro avião e chego ainda hoje.
 Edward...
 Fim de discussão.


Casa da Demetria - 08h00 da noite


          Sarah apertou a campainha de forma desesperada e não demorou muito para Demi aparecer.  Isso é jeito, menina?  Ela arqueou uma sobrancelha e sorriu fraco abraçando fortemente a filha.
 Ai, ai... você vai me matar desse jeito!
 Senti tanto sua falta, sabia? Principalmente de manhã quando fazia aquelas panquecas... se lembra das panquecas?
 Também senti sua falta.  Sarah beijou a bochecha de Demi e sorriu revelando uma janelinha.
 Caiu?!
 Caiu na minha comida e eu podia jurar que era arroz.  Demi riu.
 Eu estou aqui, sabia?  Ed deu de ombros e fez careta. Demi colocou Sarah no chão e antes de abraça-lo retirou o goro que ele usava revelando os cabelos roxos.
 Sai com agua, não é mesmo?  Riu baixinho.
 Me devolve isso aqui.  Ele pegou e colocou na cabeça, em seguida pegou Demi, jogou-a em seus ombros e a carregou para dentro enquanto ela protestava batendo em suas costas. Sarah apenas ria.

 Me larga!  Ele a colocou no chão e a abraçou.  Eu odeio você!
 Na na ni na não, você me ama.  Riu.
 Não precisava ter vindo.
 Precisava sim.  Ele afagou seus cabelos e beijou sua testa. Demi sentiu vontade de chorar, mas se segurou para não desabar na frente da filha.
 Mamãe, você está bem?  A garotinha encostou-se na perna da perna da mãe e a observou.
 Nunca estive melhor.  Sarah deu um passo para trás cruzou os braços e balançou a cabeça por breves segundos antes de subir as escadas levando consigo sua pequena mala.
 Ela sabe que você esta mentindo e você sabe disso.
 Quero poupa-la de problemas.

11h00 da noite

          Demi estava deitada em sua cama encarrando o teto a espera do sono, ela estava cansada e só queria um pouco de paz. Passara algumas horas cozinhando e brincando com a filha enquanto falava com Ed, mas nem isso fora o suficiente para distrai-la. Edward entrou no quarto dela e sorriu.  Tudo bem?
 Um pouco, o que você faz aqui?
 Eu vou dormir aqui.  Fechou a porta e caminhou até a cama.  Agora que Sarah dormiu podemos ter uma conversa de verdade, não?
 Eu estou muito cansada, podemos fazer isso amanhã?
 Claro, como você quiser.  Ele parou no meio do caminho e ficou em duvida se ficava ou se saia.

 O que você esta esperando?  Ed sorriu e se deitou ao lado dela. Demi aninhou-se ao peito dele e sorriu.  Obrigado, você é incrível.  Ela bocejou.
 Não precisa agradecer, agora durma.
 Você poderia cantar pra mim.  Demi sussurrou e sorriu.

          Edward cantou por breves segundos para Demi e ela finalmente conseguiu dormir. Ele sorriu satisfeito e acariciou o rosto dela levemente. O celular dela começou a vibrar em cima da bancada, cuidadosamente Ed esticou o braço e atendeu.  Alô.
 Demi?
 Ela esta dormindo, gostaria de deixar recado?  Joe mordeu o lábio e balançou a cabeça.
 Não, não é assim tão importante... ela está bem?
 Agora que esta descansando sim, quem é?
 Sou um paciente dela, Joseph Jonas.
 Eu digo a ela pela manhã que você ligou.
 Desculpe qualquer coisa, cara.
 Está tudo...  Joseph desligou.

 Quem era?  Demi sussurrou sonolenta.
 Ninguém importante, volte a dormir. -Ele achou adequado não dizer nada caso contrário ela levantaria na hora para retornar a ligação.

xx

          Joseph mordeu os lábios e apoiou a cabeça no teclado, aquele pequeno espaço havia se tornado seu pequeno esconderijo secreto. Ele agora ouvia musica e pensava em Lauren, por isso ligara para Demi. Ela tinha algo que o fazia flutuar, esquecer completamente problemas como sua ex-noiva' mas ele sentia muito sua falta. Ele pegou o celular e passou o dedão sobre as teclas pontilhadas, conseguia reconhecer os números e sabia que ela atenderia.   Alô.  Era ela, era Lauren!  Estou ouvindo sua respiração do outro lado da linha... quem é?
 Eu não consigo me afastar de você... é um dos motivos por quê eu simplesmente não consigo parar de pensar em você. Só continuo vendo a sua imagem, mas não quero ver mais!  Ele sussurrou e fechou levemente os olhos sentindo lágrimas rolarem livremente. Lauren arregalou levemente os olhos e desligou o telefone.

**

hoje o prêmio de inspiração vai para selena gomez com sua musica que virou um grande vicio meu A Year Without Rain. gente, eu tô no chão! hoje foi meio triste, mas prometo que dias melhores pra essa fanfic virão. foi ta coisa para um só capítulo: treta de família, ed com cabelo roxo, sarah detectora de mentiras e joseph carente. uffa! mas essa ultima parte acabou comigo. o trecho foi retirado de see no more do joe jonas. respostas aqui |  espero que tenham gostado, volto em breve com mais... beijão


esse sorriso faz meu dia mais feliz :D

27/07/2014

Capítulo 4


Casa da Demetria - 11h00 da noite

          Demi estava na área do quarto observando distraidamente o céu quando viu uma estrela cadente. Ela sorriu e por algum motivo lembrou-se da conversa com Joseph mais cedo e sobre sua história das estrelas. Braços envolveram sua cintura, lábios beijaram seu pescoço e ela curtiu o abraço quente de Wilmer Valderama. Eles eram amigos coloridos, mas amigos.  No que está pensando?
 Quer mesmo saber?
 Sim.  Sussurrou.
 Eu me lembrei do meu paciente hoje cedo, quer dizer... ele não é tecnicamente meu paciente, mas o pai dele pediu que eu o ajudasse.  Demi suspirou.
 O que esse cara fez para merecer ficar nos seus preciosos pensamentos?
 Isso.  Demi partiu o abraço e mostrou os pulsos.  Ele tentou desistir!  Ela passou uma das mãos pelos cabelos.  Eu me sinto na obrigação de fazer alguma coisa por ele.
 Você vai fazer, sempre faz.  Wilmer sorriu.  Lembre-se: tenha paciência.

 Obrigado por acreditar em mim.
 Não precisa agradecer, querida.  Wilmer beijou sua testa.  Sinto muito ter de deixa-la sozinha essa noite, mas eu realmente preciso voltar.
 Não precisa se desculpar, eu vou ficar bem.
 Tem certeza?
 Absoluta, agora venha... vou acompanha-lo até a porta.

xx

          Demi deitou-se na cama, encarrou o teto e suspirou. Ela estava sem sono e não sabia ao certo o motivo. Nunca ficara assim por causa de um paciente e não sabia como lidar com seus sentimentos nesse momento. Ela pegou o celular e viu novamente as fotos de Sarah que Ed lhe enviara mais cedo.... sentia saudades e não via a hora dela voltar. O celular de repente tocou e ela atendeu sem se dar ao trabalho de olhar quem era.  Alô.  Nenhum sinal de vida.  Alô?  Uma respiração pesada ao outro lado da linha, não podia ser... podia?  Joe?
 Meu coração ficando mais frio com o passar dos dias e eu daria a minha alma para ter a chance de vê-la. Mas tudo que eu vejo é escuro e triste... Eu estou ficando louco, louco, louco!  Demi se sentou na cama e tentou dizer algo, mas as palavras não saíram. Aquilo era lindo!  Eu acabei de inventar isso pra vadia da minha ex-noiva, acredita? Sou ou pelo menos era um professor de filosofia.
 Isso foi lindo e você me deixou sem palavras.

 Não sei o motivo de ter ligado, desculpe.
 Esta tudo bem.
 Mentira, eu sei sim.  Joe riu.  Eu sai de casa.
 Como assim saiu de casa?!
 Aquela casa está uma droga, sério. Meus pais só sabem falar de coisas especiais para cegos que eles compraram pra mim na internet e isso me deixou irritado.
 A melhor coisa a ser feita é conversar e...
 Sem teorias agora, doutora!

 Onde você esta?
 Quer mesmo saber?
 Quero!
 No telhado da minha casa.  Ele riu.
 Meu Deus, você me assustou!  Demi riu.
 Posso saber o motivo de tanta preocupação? Você nem me conhece.
 Sim, eu conheço você.  Um breve silêncio.  Como conseguiu me ligar?
 Meus pais compraram um celular adaptado pra mim e decidi arriscar para ver quem estava na minha lista de contatos.

 Se eu não tivesse dito alô como poderia saber que era eu?
 Ninguém atende o telefone e espera que a pessoa que esteja ligando diga alô, isso é uma especie de lei.
 Eu quebro leis, Joseph.
 Uau.  Excitante Pensou ele.

 Filosofia? Confesso que estou surpresa.
 O que pensou que eu fosse?
 Não costumo julgar as pessoas.
 Não é uma questão de julgar e sim ponto de vista. Anda, diga-me o que pensou de mim.
 Pensei que era um tatuador.
 Tatuador?
 Você tem muitos desenhos no braço.
 Eu gosto de tatuagens.
 Percebi.  Demi riu.

 Você ri demais, sabia?
 Quem pode me julgar por ser uma mulher feliz?  Demi sentou-se na cama.  Agora é sua vez.
 Minha vez de fazer o que?
 Diga-me qual foi sua primeira impressão de mim.
 Acho que está meio obvio, não é mesmo?
 Não pra mim, o que os outros pensam de mim nem sempre é da minha conta, porém dessa vez me interessa.
 Se você insiste.  Joe suspirou.  Pensei que fosse como todos os outros psicólogos, sabe? Gente que diz tudo o que se deve e o que não se deve fazer, mas depois percebi que estava errado. Você é paciente, simpática... gostei de conversar com você.  Demi sorriu.
 Obrigado, você é um cara muito gentil.

 Sim.  Joe disse de repente.
 Sim?
 Eu aceito participar do seu grupo, mas nada de mandar em mim ou coisa do tipo.
 Obrigado pela confiança, você não vai se arrepender.
 Assim espero.  O celular de Demi apitou e isso significava que havia outra ligação.
 Preciso desligar agora, minha filha está me ligando.
 Oh sim, pode ir. Foi muito bom conversar com você, obrigado.
 Que isso, sempre que precisar pode me ligar.  Joe riu baixinho, ele era boa demais para ser verdade.
 Adeus.
 Até sábado, 15h00 em ponto... Medical City Hospital.
 Boa noite, Demi.
 Boa noite, Joseph.  Ela desligou, atendeu a uma nova ligação e como previa era Sarah.

 Alô, mamãe?
 Oi meu amor, como você está?
 Estou bem, mas tira o celular do ouvido... é uma chamada de video.  Demi riu e encarrou o celular. Sarah estava usando uma faixa lilas na cabeça escrito "Violetta Live - I Was!" e uma jardineira jeans.  Papai me levou no show da Violetta!  Ela disse de forma eufórica.
 Eu percebi, essa sua faixa é muito fofa.  Demi sorriu.
 Obrigado, comprei muita coisa lá.
 Ela quase me faliu!  Ed pulou na cama e Sarah acabou deixando o celular cair.
 PAPAI, PARA!  A garotinha disse brava.
 Desculpe-me.  Ed pegou o aparelho.  Oi querida.  Demi riu histericamente ao ver que o cabelo de Ed estava roxo!
 Oi, o que você fez no cabelo?
 Culpa é da nossa filha, ainda bem que isso sai com água.  Ele sorriu.  Pelo menos era o que dizia na caixinha.  Fez careta.  Como você esta?
 Estou bem.

 ALOÔ, EU ESTOU AQUI!  Sarah ergueu os dois braços e balançou-os. Ed riu e se sentou ao lado dela.
 Pronto, agora sua mãe pode ver nos dois.
 Onde havia parado, mesmo?
 A parte onde ela quase te faliu.
 Oh sim, eu comprei: o diário oficial da Violetta, blusas, pulseiras, anéis, brincos... eu quase comprei a Martina especialmente para nossa filha.  Demi riu.
 Eu conheci ela, mãe!
 É hoje que ela não dorme.  Ed balançou a cabeça e Demi riu novamente.
 Como foi, princesa?
 Ah, ela me abraçou e disse que sou muito bonita.  Sarah sorriu.  Foi muito fofo ela dizendo "yo te amo".

 Fico feliz que tenha realizado esse sonho.  Demi sorriu.  Obrigado por leva-la Ed, significa muito.
 Não precisa agradecer, mas faltou você.
 É mesmo, você poderia ter ficado mamãe.
 Não, eu não poderia. Tenho muito trabalho a ser feito, pessoas dependem de mim.  Eles assentiram.  Quando você volta pra casa?
 Em dois ou três dias, estamos nos divertindo muito.  Ed respondeu e sorriu.
 Eu fico muito feliz em saber, mas quero minha filha de volta.  Ela disse brincalhona e bocejou.
 Diga "tchau" Sarah, sua mãe precisa descansar.
 Que nada, eu estou bem.
 Tchau mamãe, eu amo muito você.
 Tudo bem... também te amo, meu amor.
 Boa noite, Demi.
 Boa noite, Edward e vê se dá um jeito nesse seu cabelo.  Eles riram e ela desligou.

xx

          Denise procurou o filho por toda a casa e não o encontrou, aflita ela ligou para a delegacia e avisou a Paul que Joe havia sumido. Passado 10 minutos Paul chegou em casa e junto com sua esposa saiu a procura de pistas pela casa. Assim que chegaram ao quarto dele viram que a janela estava aberta e lá estava ele... no teclado. Depois de ligar para Demi ele ficou escutando musicas e pegou no sono ali mesmo.  Ele esta dormindo?
 Não sei, cutuque ele.
 Eu não, cutuque você
 Paul!
 Denise!
 Eu estou ouvindo essa briga sussurrada de vocês, sabiam?

 Então, você não estava dormindo?
 Estava, mas acordei ainda pouco.
 Saia dai, pode ser perigoso.
 Eu estou bem aqui.
 Ficamos preocupados com você.
 Não fiquem, eu vou descer logo.
 Volto daqui 10 minutos para saber se você desceu.  Paul avisou e saiu juntamente com Denise.

 Não há janelas nesse farol , sem respostas para as perguntas... Longe de ser encontrado, ser descoberto. Através da névoa, estou preso...  Ele suspirou.  Meu Deus! preciso aprender a escrever nessas condições, caso contrário vou ficar louco!  Disse baixinho para si mesmo e depois entrou novamente pra dentro de casa.

**

aquele é o body do joe nessa fanfic #tatuado. quem ai aprovou? eu super aprovei e adivinhem de quem é esse corpo sedutor? adam levine, moças. nesse capítulo eu me inspirei na musica do joe chamada lighthouse <3 é a minha musica favorita do álbum fast life. se preparem pq ele vai falar coisas bem fodas! e ai, gostaram do capítulo? eu gostei, principalmente a parte que o cabelo do ed está roxo! kk respostas | aqui
BJOS E ATÉ O PRÓXIMO MEU POVO E MINHA POVA :)

oh baby me leva, me leva' que o futuro nos espera...